Imagens da Celebração Pontifical com Dom Fernando

Clique sobre as imagens para ampliar








Imagens do passado

Galeria de fotografias antigas da Paróquia S. Paulo Apóstolo
Clique sobre as imagens para vê-las ampliadas
(Novas imagens estão sendo acrescentadas semanalmente...)















Conversão de São Paulo Apóstolo


Na estrada de Damasco
Por forte Luz alcançado

De perseguidor se torna
De Jesus um filho amado.

Depois de cego ficar
E tornar a ver a luz

É batizado e segue
As pegadas de Jesus.

Torna-se apóstolo “forte”
Defensor a difundir

O Reino de Deus que trouxe
Vida nova aos gentios.

Da cruz e Ressurreição
É mensageiro veloz

Cruzando mares e terras
Faz ouvir a sua voz.

O programa da missão
É a Palavra de Jesus

Comunidades formando
Sob o signo da Cruz.

Os judeus conservadores
Na “Antiga Lei” enraizados

Dão aos pagãos ensejo
De serem evangelizados.

Enciumados os judeus
Os que não aceitam mudanças

Tramam com as autoridades
Sua morte por vingança.

Sendo cidadão romano
Quer por César ser julgado

Não tendo a morte certa
Para Roma foi levado.

Combateu o bom combate
Pela fé fortalecido

Em Roma martirizado
É exemplo a ser seguido.



Arminda F. Pitta (paroquiana)

Perseverança



O Grupo de perseverança da Paróquia São Paulo Apóstolo reúne-se todos os domingos no salão paroquial, com início às 17 h e terminando com a participação na Missa das 19h.

Perseverança é a formação continuada, de meninos e meninas que fizeram a Catequese e receberam a primeira Eucaristia. Buscamos o aprofundamento e a vivência da fé, através de jogos, teatro, música, formação, participação na Liturgia e em atividades paroquiais; buscando o diálogo, a criatividade e a construção de novas amizades, dentro dos princípios do Evangelho.

Venha fazer parte dessa turma!


-NOVAS IMAGENS DO GRUPO DE PERSEVERANÇA:-


Pe. Aldo em seu aniversário com os jovens da Paróquia.


Capela da Comunidade Aliança de Misericórdia,
num momento de oração, como irmãos que somos.







Acima, imagens da visita ao Mosteiro de Santa Tereza D'Avila
e do encontro com as monjas enclausuradas.


Tapete de Corpus Christi sendo elaborado
em conjunto com os jovens do Crisma.


Parte do Tapete de Corpus Christi já pronto

Homenagem ao seminarista Robson pelo seu aniversário.


Confecção de dois presépios a serem doados, como um gesto
concreto na celebração do Advento do Senhor.


Turma reunida para a elaboração dos referidos presépios.

Grupo de Coroinhas




O coordenador do grupo dos coroinhas da São Paulo Apóstolo é o Seminarista Pedro Igor. Os ensaios e encontros de formação ocorrem todos os sábados, às 09h.

Quem pode participar: meninos e meninas que já fizeram a primeira Eucaristia, até os 14 anos de idade. Maiores informações na secretaria da paróquia: (11) 2605-4100.

Leitura do Evangelho do próximo domingo


14 de agosto/2011 - Mt 15,21-28

"Mulher, grande é tua fé!"

Partindo dali, Jesus foi para a região de Tiro e Sidônia. Uma mulher cananéia, vinda daquela região, pôs-se a gritar: "Senhor, filho de Davi, tem compaixão de mim: minha filha é cruelmente atormentada por um demônio!" Ele não lhe respondeu palavra alguma. Seus discípulos aproximaram-se e lhe pediram: "Manda embora essa mulher, pois ela vem gritando atrás de nós". Ele tomou a palavra: "Eu fui enviado somente às ovelhas perdidas da casa de Israel". Mas a mulher veio prostrar-se diante de Jesus e começou a implorar: "Senhor, socorre-me!" Ele lhe disse: "Não fica bem tirar o pão dos filhos para jogá-lo aos cachorrinhos". Ela insistiu: "É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos!" Diante disso, Jesus respondeu: "Mulher, grande é tua fé! Como queres, te seja feito!" E a partir daquela hora, sua filha ficou curada.

Palavra da Salvação. - Glória a vós, Senhor!

Irmandade do Santíssimo Sacramento



Fundada em 06 de setembro de 1953, e solenemente empossada em 04 de outubro do mesmo ano, a Irmandade de Adoradores do Santíssimo Sacramento do Altar é um grupo de irmãos apaixonados pelo Senhor.

As reuniões acontecem nos terceiros domingos de cada mês, às 8h30.

Toda ùltima quinta-feira do mês, das 8h30 às 10h, adoração ao Santíssimo Sacramento.

Todo 1º e 3º domingos de cada mês, Procissão com o Santíssimo Sacramento após a celebração da Santa Missa.

A irmandade se reúne para o Terço dos dos homens, toda terça-feira, logo apos a Santa missa, às 20h20.

Venha conhecer e também integrar este grupo de cristãos católicos muito especiais!

Maiores informações na secretaria da paróquia: tel. (11) 2605-4100

Catequese para Adultos

"O meu povo se perde por falta de conhecimento" (Oseias 4,6)

Em nossos dias, são muitos os desviados. A catequese que tiveram quando crianças deixou suas marcas, mas não foi o suficiente para mantê-los no Caminho de Jesus Cristo... Nestes dias em que seitas e falsas "igrejas" não param de surgir e prosperar, cabe-nos, enquanto Igreja, empenhar nossos melhores esforços em trazer de volta as almas de tantos e tantos filhos pródigos à Casa do Pai Celestial.

Gostaria de aprender a rezar? De se preparar para receber a 1ª Comunhão, ou voltar a recebê-la, mas acha que não tem mais idade? Gostaria de ser batizado na primeira e única Igreja estabelecida por Nosso Senhor Jesus Cristo (conf. Mateus 16, 17-19) sobre o Apóstolo Pedro? Tem dúvidas se ainda será aceito? Sente vontade de conversar com outras pessoas sobre as coisas da fé? Então, o seu lugar é aqui! Entre em contato!


Catequese de Adultos: importância fundamental


O Diretório Geral da Catequese (1997) afirmou que "a Catequese de Adultos é uma forma privilegiada de catequese". O número crescente de catecúmenos adultos e de cristãos que voltam à Igreja, após alguns anos de afastamento, o acompanhamento pedido pelos pais das crianças da catequese e o número também crescente de adultos que retomam a vida de Sacramentos, - tudo isso nos leva a refletir sobre a importância da missão de evangelizar adultos, e não apenas as crianças.

Numa sociedade fortemente marcada pela secularização e pelo individualismo, o adulto procura cada vez menos as religiões instituídas para esclarecer as questões vitais da vida e fazer suas opções. O verdadeiro cristianismo precisa ser proposto como força uma verdadeira e viável para a vida nos dias de hoje.

As atividades da Catequese de Adultos visam acolher bem a todas as pessoas que procuram as paróquias para:

* __Pedir os sacramentos da iniciação cristã (Batismo, Crisma e Eucaristia)

** _Aprofundar a fé

*** Viver a fé em comunidade

A catequese de adultos tem como objetivo dar a conhecer o Senhor Jesus, aprofundar a fé em comunidade, estudar os temas fundamentais da fé católica, escutar a palavra de Deus e rezar em conjunto, confrontar a vida com o Evangelho e levar ao comprometimento em ser Igreja no seguimento de Jesus Cristo. - Nós, católicos, a todos devemos responder bem, inicialmente através de um acompanhamento pessoal, e tão logo quanto possível, também através da inserção em grupos de aprofundamento da fé.


"Jesus voltou-se e, notando que eles o seguiam, perguntou: 'Que pretendeis?' Eles disseram: 'Mestre, onde moras?' Ele respondeu: 'Vinde e vede.' Foram, pois, e viram onde morava e ficaram com Ele..." (Jo 1, 38-39)

Apostolado da Oração

Compromissos do Apostolado da Oração em nossa paróquia

---Toda primeira sexta-feira do mês:

---*às 7h30, Santa Missa;

---**toda última quinta-feira do mês, hora Santa em favor das vocações às 15h; em seguida reunião ordinária.

Significados do Apostolado da Oração


O Apostolado da Oração constitui uma associação de fiéis que, pelo oferecimento diário de si mesmos, unidos ao Sacrifício Eucarístico e pela união vital com Cristo, colaboram na Salvação do mundo. Buscam esse objetivo por meio do seguinte programa:

Participação vital no Mistério Eucarístico;

Culto ou espiritualidade do Coração de Cristo;

Preocupação de sentir com a Igreja;

Assídua oração apostólica;

Amor e devoção a Nossa Senhora;

Todo o mês de junho é dedicado ao Sagrado Coração de Jesus, cuja devoção iniciou-se ao pé da Cruz, no momento em que o soldado com uma lança perfurou o lado do Senhor, abrindo seu Coração.

Os Compromissos do AO são a oração todos os dias, o oferecimento do dia pelas intenções da Igreja (que o Vaticano propõe em bilhete mensal todo inicio de mês), a reza do Terço por essas intenções (ou uma dezena), realizar a entronização da imagem do Coração de Jesus, com a devida honra, e a consagração das famílias, primeiro das casas dos membros que já pertencem ao AO e depois daquelas dos que pretendem pertencer, seja nas empresas, nas escolas e etc...

O Papa João Paulo II falou do carinho que tinha pelo AO e frisou que o Brasil caminhava muito bem com esta devoção especial, até em relação aos outros paises. O tempo de nossa pertença ao AO não termina: a partir do momento em que nos dispusemos a pertencer a ele, o nosso nome já está gravado no Coração de Jesus. - Ele nunca mais nos esquecerá de nós, e esta gravação nunca mais se apagará. Nós até podemos nos esquecer dele, mas Jesus é fiel e não nos abandona jamais.

Para esta pertença é preciso um tempo de preparação e de conhecimento, para que a pessoa tome consciência do compromisso que está assumindo. No dia de nossa consagração ao Sagrado Coração de Jesus recebemos indulgências, e para isso é necessária a Confissão, a Comunhão, uma oração na intenção do Papa e exclusão de todo apego ao pecado. - Os membros do AO neste dia também recebem a fita tradicional, sinal do Sagrado Coração: a cor vermelha é o Sangue, a vida de doação plena que o Senhor entregou por cada um de nós. A medalha tem o Sagrado Coração de Jesus de um lado e do outro o Coração de Maria, para nos lembrar que temos um Pai que nos abençoa, no Céu, e uma Mãe que segue conosco no Caminho, auxiliando-nos a vencer o mal e pedindo por nós a Deus. No Escapulário, que é o símbolo do AO, está gravado "Venha a nós o Vosso Reino", para nos lembrar a todo instante que estamos buscando esse Reino. A fita é sinal do Amor de Cristo por nós e do nosso por ele. Os membros do Apostolado da Oração têm o dever de estarem inseridos nas outras pastorais e movimentos da comunidade, para que com a sua oração sejam alicerce. - Todos os grupos precisam de oração para caminhar reto, e assim também é divulgado o Sagrado Coração de Jesus e espalhado o seu Amor a todos.


Breve história do Apostolado da Oração


O Apostolado da Oração nasceu no dia 03 de dezembro de 1844, na Casa de Estudos dos Padres Jesuítas, em Vals, perto de Le Puy, França, no dia da festa de São Francisco Xavier. Os estudantes de teologia e filosofia, presos a seus livros e temas escolares, viam crescer dentro de si o anseio de realizar algum apostolado direto nas paróquias e junto ao povo, inspirado pelo Espírito Santo. Pe. Francisco Xavier Gautrelet, jesuíta, no dia 3 de dezembro de 1844 lançou a luminosa ideia de oferecerem seus trabalhos, estudos e sacrifícios, assim com também suas alegrias e todas as realizações de suas vidas, em espírito apostólico, a Jesus Cristo. Assim nasceu o Apostolado da Oração.

No Brasil, o primeiro Centro do AO foi fundado em 30 de junho de 1867, na Igreja de Santa Cruz, Recife, sendo fundador e Primeiro Diretor o Pe. Bento Schembri, SJ. - O grande incentivador do AO no Brasil foi o Pe. Bartolomeu Taddei, que difundiu a espiritualidade do Sagrado Coração de Jesus em todo o país. Por essa razão ele é considerado o fundador e propagador do AO no Brasil. Em 1883, em relatório mandado para a França, assim escreveu ele sobre o AO no Brasil: “A alegria transborda da minha alma ao ler os relatórios de nossos diretores diocesanos... Em algumas Paróquias há Zeladores e Zeladoras que andam 25 ou 30 Km para não faltar às Reuniões mensais. Fui muitas vezes testemunha do bem que podem fazer alguns zeladores fervorosos, e como o Coração de Jesus coroa de bênçãos abundantes os esforços de seus apóstolos fiéis”.

O Pe. Bartolomeu Taddei – infatigável apóstolo do Sagrado Coração de Jesus – faleceu no dia 03 de junho de 1913, aos 76 anos. Deixou cerca de 1.400 Centros do AO no Brasil, com 40.000 Zeladores (homens e mulheres) e 2.700.000 Associados!

Padre Otmar Jacob Schwengber, SJ é atualmente o Secretário Nacional do Apostolado da Oração no Brasil.


Batismo

"Quem crer e for batizado será salvo..."
Jesus Cristo (Marcos 16,16)


O Principal objetivo da Pastoral do Batismo é levar aos pais e padrinhos o conhecimento do que é o Batismo e o compromisso que através dele se assume com Deus e com a comunidade. Demonstrar que este Sacramento não se resume a apenas batizar: é necessário vivenciar, testemunhar e ensinar filhos e afilhados a serem cristãos autênticos e fiéis seguidores de Jesus Cristo.


Encontros de preparação


* As informações sobre a preparação ao batismo em nossa paróquia e horários de batizado devem ser obtidas junto à secretaria paroquial.


Importância do Batismo

O primeiro dos Sacramentos de Iniciação é o Batismo, que Cristo instituiu ao ordenar a seus discípulos: "Ide por todo o mundo, proclamai o Evangelho a toda criatura ... batizando-as em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo" (Mc 16,15 e Mt 28,19). Esse mandato missionário confiado por Cristo aos Apóstolos se transfere aos seus sucessores, que são os Bispos e, de certo modo, a todos os que foram batizados. Todos são chamados à graça do Batismo, que biblicamente é um Sacramento necessário para a salvação da alma.

A Igreja, com seus pastores e fiéis, têm o dever de evangelizar e batizar, despertando em todos a autêntica adesão a Jesus Cristo. Todo homem e mulher têm o direito de receber a graça do Batismo, que não pode ser negado a quem legitimamente o pedir, desde que devidamente preparado. O Batismo na água supõe a fé e a adesão pessoal a Cristo. - Batismo de desejo é o que recebem as crianças, pela fé de seus pais, retos em sua consciência. Implicitamente aderiram também à pessoa de Cristo e alcançarão a salvação.

A preparação para a recebimento do Batismo é indispensável e deverá ser feita preferencialmente na própria comunidade paroquial, igreja ou capela pública.

"Anjos Pescadores de Homens"


"Anjos Pescadores de Homens" é nome do grupo de jovens de nossa paróquia, sempre animado e bem disposto a proclamar o Evangelho de Jesus Cristo entre a garotada.

Os encontros acontecem em nossa igreja, todos os sábados às 18h30. - Jovem da região do Belém e proximidades, venha conhecer e fazer parte deste grupo que busca viver a alegria da vida com amor fraterno e amizade, perseverando sempre no Caminho da Verdade e da Vida: Jesus!


Grupo de Oração "O Semeador"


O grupo de oração "O Semeador" se reúne todas as quintas-feiras em nossa igreja, às 20h30, para agradecer a Deus pelas bençãos e graças recebidas, e também para pedir, louvar, exaltar, interceder por nossos irmãos e irmãs...

Venha conhecer essa fervorosa turma de adoradores de nosso Deus e Pai, e também participar de nossas orações, com muita fé e amor no coração! O convite é aberto a todos, sem exceção de cor, raça, condição social e nem credo religioso.


Vicentinos

O plantão para atendimento dos assistidos pelos vicentinos na Paróquia São Paulo Apóstolo do Belém acontece sempre às terças-feiras, às 15h.


Vicentinos: breve história

São Vicente de Paulo

Os membros da Sociedade São Vicente de Paulo (SSVP) são mais conhecidos como vicentinos. Trata-se de um movimento católico internacional, fundado em Paris em 1833, que se inspira no pensamento do querido santo francês, baseado na justiça e no amor-caridade. A sociedade é aberta a quem deseja viver a fé, o amor e o serviço a seu próximo.

A SSVP ajuda a comunidade, de diversas maneiras, no trabalho para aliviar o sofrimento no mundo e promover a dignidade e a integridade do homem. A sociedade não se limita a aliviar a miséria, mas também a trabalhar para descobrir e solucionar as situações que a geram. A ajuda chega a quem necessita, independentemente de raça, cor, nacionalidade, credo político ou religioso e posição social.

Os membros da SSVP, Confrades e Consócias (vicentinos), são unidos entre si pelo espírito de pobreza e de partilha. Formam, no mundo inteiro, com aqueles a quem prestam auxílio, uma só família, buscando contato com os demais movimentos e organizações católicas, especialmente as inspiradas em São Vicente de Paulo: esta é a Família Vicentina. Os vicentinos procuram, pela oração, pela meditação da Sagrada Escritura e pela fidelidade aos ensinamentos da Igreja, ser testemunhas do amor de Cristo em suas relações com os mais desprovidos, bem como nos diversos aspectos da vida.

Atualmente a SSVP está presente em 135 países, com um número aproximado de 500 mil membros. O Brasil é o maior país vicentino do mundo: são 20 mil Conferências, 1754 Conselhos Particulares, 272 Conselhos Centrais, 30 Conselhos Metropolitanos e 2 mil Obras Unidas, coordenadas pelo Conselho Nacional do Brasil! A Conferência São José, no Rio de Janeiro foi a primeira no Brasil, fundada no ano de 1872. Atualmente são mais de 250 mil membros desta grande e amorosa família cristã. Venha você também conhecer e fazer parte desta grande família, em nossa paróquia!


Leia aqui a biografia de São Vicente de Paulo


Pastoral da Terceira Idade ou da Pessoa Idosa

* Encontros às terças-feiras, às 14h.

A Pastoral da Pessoa Idosa tem por objetivo assegurar a dignidade e a valorização integral das pessoas idosas, através da promoção humana e espiritual. Neste processo busca-se o respeito a todos os seus direitos, num processo educativo de formação continuada dessas pessoas, de suas famílias e de suas comunidades, sem distinção de raça, cor, profissão, nacionalidade, sexo e nem credo religioso ou político. O objetivo é que as famílias e as comunidades possam conviver respeitosamente com as pessoas idosas, protagonistas da sua auto-realização, por meio das seguintes atividades:

I – Promover o desenvolvimento físico, mental, social, espiritual, cognitivo e cultural dos idosos;

II – Promover o respeito à dignidade e à cidadania das pessoas idosas, colaborando para a divulgação e implementação do Estatuto do Idoso - Lei nº.10.741, de 1º de outubro de 2003;

III – Promover o convívio das pessoas idosas com as demais gerações, estimulando uma velhice ativa e buscando uma longevidade digna;

IV – Estimular e respeitar a espiritualidade das pessoas idosas;

V – Valorizar a história de vida, as experiências, o ser biográfico, a sabedoria adquirida ao longo da vida de cada pessoa idosa, respeitando-a como guardiã da memória coletiva;

VI – Capacitar agentes de pastoral para o acompanhamento das pessoas idosas nas visitas domiciliares e nas outras atividades complementares afins;

VII – Organizar redes de solidariedade humana nas comunidades e nos diferentes níveis para promover o bem-estar dos idosos;

VIII – Incentivar a criação e participação nos conselhos de direitos do idoso em todos os níveis;

IX – Realizar parcerias, somando esforços com outras pastorais, comunidade científica, associações de geriatria e gerontologia, organizações de defesa dos direitos dos idosos, de assistência social e outras entidades afins;

X – Manter um sistema de informação sobre a situação das pessoas acompanhadas;

XI – Democratizar notícias e informações sobre os idosos nos meios de comunicação social;

XII – Promover esclarecimentos sobre os preconceitos contra as pessoas idosas, a fim de que sejam superados;

XIII – Somar esforços com iniciativas de educação continuada para cuidadores de idosos;

XIV – Valorizar a vida até sua fase final, apoiando os programas de cuidados paliativos, que assegurem o caráter espiritual da existência humana.

_____
Fonte:

Website Pastoral da Pessoa Idosa - CNBB


Legião de Maria

As reuniões ordinárias dos legionários de Maria na Paróquia São Paulo Apóstolo acontecem todas as terças-feiras, às 15h, no salão paroquial.


Breve história da Legião de Maria

A Legião de Maria é uma associação de católicos que, com a aprovação da Igreja e sob a proteção de Maria Imaculada, se constituíram em legião para servir na guerra perpetuamente travada pela Igreja de Jesus Cristo contra o mundo e as potências do mal: “Toda a vida humana, quer individual quer coletiva, se apresenta como uma luta dramática entre o Bem e o Mal, entre a Luz e as Trevas” (GS 13).

---Os legionários esperam se tornar dignos da Rainha Celeste, mãe de nosso Senhor na terra e nossa mãe, - pela lealdade, pela busca das virtudes e pela coragem em seguir o Caminho de Jesus. - A Legião de Maria, por essa razão, está organizada à maneira do exército da Roma antiga, cuja terminologia adotou. É mais do que claro, no entanto, que as "armas" dos legionários de Maria não são deste mundo, mas sim espirituais: oração, meditação e prática das virtudes.

---Esse "exército", que hoje é tão numeroso, teve uma origem muito humilde: surgiu na cidade de Dublin, na Irlanda, de forma espontânea, sem premeditação de regras ou práticas. Surgida a ideia, marcou-se uma reunião com um pequeno grupo, cujos primeiros componentes dificilmente poderiam imaginar que estavam fazendo parte do surgimento de uma página tão bela na história da Igreja. O aspecto daquela reunião foi idêntico ao das reuniões legionárias que depois viriam a se efetuar em toda a terra. No meio do grupo, sobre uma toalha branca em cima da mesa, erguia-se uma imagem da Imaculada Conceição, ladeada por dois vasos de flores e duas velas acesas. Esta disposição tão expressiva, inspiração de um dos primeiros a chegar, refletia perfeitamente o ideal da Legião de Maria. A Legião é um exército que luta pelo amor entre os semelhantes (flores) e pela disseminação da Luz de Cristo (velas) na terra, sob a proteção de Maria Santíssima. Desde então, com ela marcham e combatem o bom combate os legionários, certos que haverão de vencer e perseverar, na medida em que estiverem unidos a ela, nossa mãe, e com ela ao seu Filho, nosso Salvador.


Vicente de Paulo, santo exemplo de caridade

“Se é verdade que somos chamados a levar, longe e perto, o amor de Deus, se devemos inflamar as nações, se temos vocação para comunicar o fogo divino ao mundo inteiro, quanto devemos nós mesmos arder deste fogo divino?!” (São Vicente de Paulo)

“Que aquele camponês das Landes, convertido pela graça de Deus em gênio da caridade, nos ajude a todos a por mais uma vez as mãos no arado – sem olhar para trás – para o único trabalho que importa, o anúncio da Boa Nova aos Pobres.” (Papa João Paulo II)


São Vicente de Paulo nasceu na Terça-feira de páscoa, em 21 de abril de 1581, em Pouy, no sul da França, filho de João de Paulo e de Bertranda de Moras. Deram-lhe o nome do padroeiro de Dax, S. Vicente de Xaintes, primeiro bispo dessa Diocese.

Ordenou-se padre aos dezenove anos, e logo passou pela primeira grande provação, ao ser capturado e vendido como escravo. Mas conseguiu a liberdade, e no cargo de Capelão da Rainha foi incumbido de distribuir esmolas aos pobres e de visitar os enfermos no hospital de caridade. Foi nesses contatos que primeiro sentiu a intensa compaixão pelos pobres que foi a grande marca de toda a sua vida, e também o desejo de ser apoio e conforto para todas as vítimas das fraquezas da alma e do corpo.

No trabalho em favor dos condenados às galés chegou a se colocar no lugar de um deles para libertá-lo! Sua piedade heróica conferiu-lhe o cargo de Capelão Geral e Real da França. Percebendo o abandono espiritual dos camponeses, fundou a Congregação da Missão dos Padres Lazaristas, para a evangelização do "pobre povo do interior", como ele chamava. Foi num apelo que o padre Vicente fez durante um sermão em Châtillon que nasceu o movimento das Senhoras Damas da Caridade.

Face à existência de grande número de enfermos, com a colaboração de Santa Luíza de Marillac, formou sob sua orientação a Companhia das Irmãs de Caridade. Foi ele também responsável pela organização de retiros espirituais para leigos e sacerdotes através das famosas conferências das terças-feiras. Muitos acham que a maior virtude de São Vicente é a caridade, entretanto sua humildade poderia ser ainda maior. Não recebia com agrado os boatos da possibilidade de ser elevado ao cargo de Bispo ou Cardeal, pois desejava continuar trabalhando ombro a ombro com os mais humildes. Foi membro do Conselho de Consciência por respeito à Rainha Ana d'Áustria, porque visava o bem da Igreja.

São Vicente de Paulo foi um verdadeiro "Pai dos Pobres", um reformador do clero no melhor sentido, além de um gênio na administração das coisas de Deus. Basta dizer que as Conferências Vicentinas, fundadas por Ozanam e seus companheiros, hoje espalhadas no mundo inteiro, vivem permanentemente de seus exemplos e ensinamentos. Segundo S. Francisco de Sales ele era o "padre mais santo do século". Faleceu em 27 de setembro de 1660 e foi sepultado na Igreja de S. Lázaro. Foi canonizado pelo papa Clemente XII em 16 de junho de 1737.

Dia 27 de setembro, festa de São Vicente de Paulo! Toda a Igreja e, em especial, a Família Vicentina, são desafiadas a celebrar, aprofundar, viver e divulgar a riqueza e a atualidade do testemunho de vida e da espiritualidade de São Vicente de Paulo.

Conhecido como “Pai dos Pobres”, “Gigante da Caridade” e “Arauto da Ternura e da Misericórdia”, São Vicente teve uma vida plena e fecunda de obras em benefício sobretudo dos pobres. De espírito dinâmico e empreendedor, tomou iniciativas, iniciou e liderou a execução de várias obras; foi um organizador das boas vontades, um formador de seus auxiliares, um formador de multiplicadores; não fez tudo sozinho, soube suscitar colaboradores, ganhou adesões entusiastas e despertou a criatividade dos que o apoiavam; e ainda, foi um colaborador leal em obras iniciadas por outros, sem pensar que só ele sabia fazer bem as coisas ou que só iriam dar bons resultados se fossem feitas por ele, do jeito dele.

Seu testemunho não se reduz e nem se esgota na fecundidade e na quantidade das atividades desenvolvidas. O que dá sentido, unidade e dinamismo à vida e à obra de São Vicente é o seu grande e apaixonado amor pela pessoa de Jesus Cristo, o Verbo Encarnado, que São Vicente soube encontrar na pessoa dos pobres. Pobre que não queria ser pobre, São Vicente não idealizou os pobres. Ele foi até eles, viu os sofrimentos, a fome, o abandono pastoral, as lágrimas, os gritos, sentiu o mau cheiro e o desespero dos que morriam amontoados nos corredores dos hospitais. Aí descobriu, na face sofrida e faminta dos pobres, a imagem desfigurada de Cristo, sofrida e humilhada na Paixão.

Os pobres constituiram o caminho que levou São Vicente ao encontro consigo e com Deus. Sem cair em teorias abstratas e intimistas, descobriu, à luz do mistério da encarnação, que Jesus Cristo é o Divino Pobre, que se despoja e assume a pobreza para dar-se totalmente à salvação dos pobres – “O Senhor me enviou a evangelizar os pobres” (Lc 4,18). O espírito de Cristo é um espírito de caridade e de estima ao Pai. A verdadeira felicidade está, pois, em seguir e servir a Cristo que se faz presente e servidor nos rostos sofridos e injustiçados dos pobres. Percebeu que “não podemos garantir melhor a nossa felicidade do que vivendo e morrendo no serviço aos pobres, colocando-nos nos braços da Divina Providência e numa total renúncia de nós mesmos, para seguir Jesus Cristo”. Encontrou a alegria e a razão de viver em Cristo, o Verbo Encarnado, expressão máxima do amor misericordioso de Deus Pai, que enviou seu Filho para evangelizar os pobres.

O pobre é sacramento de Cristo. Servir o pobre é servir o próprio Cristo. Dizia São Vicente que, diante de um pobre, devemos “virar a medalha” e ali encontrar o próprio Cristo desfigurado em sua paixão. “Os pobres são nossos senhores e mestres”. São membros sofredores de Nosso Senhor, são nossos irmãos. Por isso, a exemplo de Nosso Senhor, é preciso servi-los, material e espiritualmente, com especial dedicação. A exemplo de Jesus, evangelizador dos pobres, é preciso ir ao encontro dos mais abandonados para deixar-se interpelar pela sua realidade concreta e pôr-se a serviço deles de modo efetivo, anunciando-lhes o Evangelho da caridade, da misericórdia e da solidariedade.

O amor a Jesus Cristo conjuga o amor a Deus e ao próximo, e deve ser um amor afetivo e efetivo, dentro de um profundo amor missionário à Igreja e totalmente comprometido com a evangelização e o serviço dos pobres, nas falas de São Vicente:

“A caridade está acima de todas as regras e é preciso, pois, que todas as coisas a ela se relacionem. É uma grande dama, é preciso fazer o que ela ordena.”

“A Missão é um dos maiores e mais necessários bens que conheço.”

“Acender o Fogo do Amor Divino em todas as pessoas é continuar a missão do Filho de Deus!” “É maravilhoso fazer conhecer a Deus, anunciar Jesus Cristo aos pobres, dizer-lhes que está próximo o Reino de Deus e que este Reino é para eles.”


Nesta tarefa de caridade e anúncio do Evangelho aos pobres, “Cristo é a regra da Missão”. “Se é verdade que somos chamados a levar, longe e perto, o amor de Deus, se devemos inflamar as nações, se temos vocação para comunicar o fogo divino ao mundo inteiro, quanto devemos nós mesmos arder deste fogo divino?!” Só um coração inflamado do amor de Deus é capaz de contagiar os outros. É necessário, pois, revestir-se dos sentimentos e atitudes de Jesus Cristo. Esta profunda convicção levou São Vicente a cultivar em sua vida e a propor aos seus colaboradores uma sólida espiritualidade evangélica, totalmente centrada em Cristo Evangelizador dos pobres. Uma espiritualidade da encarnação, onde fé e vida, oração e ação caminham juntas –“Amemos a Deus, meus irmãos, com a força de nossos braços e com o suor de nosso rosto”.

Na contemplação e no seguimento de Cristo evangelizador dos pobres, faz-se, pois, necessária uma vivência espiritual e missionária de desinstalação, de ida ao encontro do pobre, com um profundo espírito de estima, de misericórdia, procurando agir como Cristo, com simplicidade, humildade, mansidão, mortificação e zelo. Tudo seja em busca da vontade de Deus e impregnado por uma sólida vivência de fé, cultivada através de uma intensa vida de oração encarnada na realidade e no compromisso concreto – “Dai-me uma pessoa de oração e ela será capaz de tudo”.

Na descoberta de Cristo no Pobre e na adesão a Ele, São Vicente de Paulo, sempre dócil à ação do Espírito Santo, tornou sua vida toda teologal, fortemente marcada pela oração (adoração, agradecimento, súplica, intercessão, reparação), pelo Evangelho, pela Igreja; fortemente comprometida com os outros, sobretudo os mais pobres; fortemente marcada pelo Verbo e por seus valores, seus motivos, seus critérios, seus modos de agir. Seu testemunho constitui um fecundo e seguro caminho, uma verdadeira e evangélica escola de espiritualidade, onde hoje podemos nos matricular, vista da continuidade da missão de Jesus Cristo, que quer continuar a fazer o que fazia durante sua vida, por meio de nós. Finalizamos esta pequena homenagem com mais alguns dizeres, repletos de Luz divina, proferidos por São Vicente de Paulo:

“Vivemos em Jesus Cristo, pela morte de Jesus Cristo. Devemos morrer em Jesus Cristo, pela vida de Jesus Cristo. Nossa vida deve estar escondida em Jesus Cristo e cheia de Jesus Cristo.”

“Nosso Senhor Jesus Cristo é nosso pai, nossa mãe e nosso tudo.”

“Rogo a Nosso Senhor que Ele seja a vida de nossa vida e a única aspiração de nossos corações.”

“O que a Igreja precisa é ter pessoas evangélicas que trabalhem para purificá-la, iluminá-la e uni-la ao seu Divino Esposo.”



Veja imagens do corpo incorrupto de São Vicente de Paulo aqui


______
Fonte:
Revista Convincente - Texto escrito por Pe. Eli Chaves dos Santos, CM (Riacho Fundo II - DF)


Festa junina em nossa paróquia

Já começou! Venha participar!

Todos os sábados e domingos, das 17h às 23h, tem festa junina no salão paroquial da Igreja São Paulo Apóstolo do Belém. - As comemorações vão até o dia 04 de julho de 2010, com barracas de comidas típicas, jogos, prêmios, brincadeiras, música, dança e muito mais. Venha se divertir com a gente, num ambiente familiar, sadio e descontraído!

Estamos esperando por você na rua Tobias Barreto, nº 1320, pertinho da estação Belém do Metrô. - Inf.: (11) 2605-4100


Vida e obra de São Paulo Apóstolo


Basílica de São Paulo Fora dos Muros, Roma


Vida de São Paulo

Paulo nasceu entre o ano 5 e 10 da era cristã, em Tarso, capital da Cilícia, na Ásia Menor, cidade aberta às influências culturais e às trocas comerciais entre o Oriente e o Ocidente. Descende de uma família de judeus da diáspora, pertencente à tribo de Benjamim, que observava rigorosamente a religião dos seus pais, sem recusar os contactos com a vida e a cultura do Império Romano.

Os pais deram-lhe o nome de Saul (nome do primeiro rei dos judeus) e o apelido Paulo. O nome Saul passou para Saulo porque assim era este nome em grego. Mais tarde, a partir da sua primeira viagem missionária no mundo greco-romano, Paulo usa exclusivamente o sobrenome latino Paulus. Recebeu a sua primeira educação religiosa em Tarso tendo por base o Pentateuco e a lei de Moisés. A partir do ano 25 d.C. vai para Jerusalém onde frequenta as aulas de Gamaliel, mestre de grande prestígio, aprofundando com ele o conhecimento do Pentateuco escrito e oral.

Aprende a falar e a escrever aramaico, hebraico, grego e latim. Pode falar publicamente em grego ao tribuno romano, em hebraico à multidão em Jerusalém (Act 21,37.40) e catequizar hebreus, gregos e romanos.

Paulo é chamado “o Apóstolo” por ter sido o maior anunciador do cristianismo depois de Cristo. Entre as grandes figuras do cristianismo nascente, a seguir a Cristo, Paulo é de facto a personalidade mais importante que conhecemos. É uma das pessoas mais interessantes e modernas de toda a literatura grega, e a sua Carta aos Coríntios é das obras mais significativas da humanidade.

Escreveu 13 cartas às igrejas por ele fundadas: cartas grandes: duas aos tessalonicenses; duas aos coríntios; aos gálatas; aos romanos. Da prisão: aos filipenses; bilhete a Filémon; aos colossenses; aos efésios. Pastorais: duas a Timóteo e uma a Tito.

Quando estava preso em Cesareia, Pau-lo apela para César e o governador Festo envia-o para Roma, aonde chegou na Primavera do ano 61. Viveu dois anos em Roma em prisão domiciliária. Sofreu o martírio no ano 67, no final do reinado de Nero, na Via Ostiense, a 5 quilómetros dos muros de Roma.


A Conversão

Ainda adolescente, sem idade para poder apedrejar, assistiu ao martírio do diácono Estêvão, o primeiro mártir da Igreja. (Act 8,1).

Paulo, hebreu convicto, perseguia os cristãos porque os considerava como hereges, como uma seita contrária à verdadeira fé, que ameaçava a autoridade religiosa do judaísmo.

No ano 35, quando Saulo tinha cerca de 30 anos, na sua luta contra os cristãos chefia um grupo que vai galopando para Damasco, com autorização dos sumos sacerdotes, para eliminar um grupo de cristãos e levar os seus chefes algemados para Jerusalém.

Paulo diz que no caminho, já próximo de Damasco, se viu subitamente envolvido por uma intensa luz vinda do Céu e lhe apareceu Cristo Ressuscitado, que lhe disse: «Saulo, Saulo, porque Me persegues?» Saulo perguntou: «Quem és Tu, Senhor?» A voz respondeu: «Eu sou Jesus a quem tu persegues. Agora levanta-te, entra na cidade e e aí te dirão o que deves fazer» (Act 9,1-7). Perseguindo os membros da Igreja, Paulo estava a perseguir Cristo que é a sua Cabeça.

Após o diálogo com Cristo Ressuscitado, Paulo, de perseguidor dos cristãos torna-se um homem novo, o mais ardente missionário do Evangelho, que irá dedicar o resto da sua vida a Cristo, numa contínua identificação com Ele ao ponto de poder dizer: «Para mim viver é Cristo» (Fl 1-21); «Já não sou eu que vivo, pois é Cristo que vive em mim.» (Gl 2,20)

Desde aquele momento começa para Paulo uma nova etapa da vida, uma grande aventura que o levará por montes, desertos, mares, aldeias e cidades do Mediterrâneo Oriental, e que terminará em Roma com o martírio.


Chamado por Deus

Ananias, sacerdote hebreu-cristão, faz a iniciação cristã de Paulo e administra-lhe o Baptismo (Act 9,18). Jesus, falando de Paulo, disse a Ananias: «Esse homem é um instrumento que escolhi para anunciar o meu Nome aos pagãos, os reis e ao povo de Israel. Eu vou mostrar a Saulo quanto ele deve sofrer por causa do meu Nome.» (Act 9,15-17)

Paulo, sempre atento à voz de Deus, é conquistado por Cristo. Reconhece que está no caminho errado e decide pronta e corajosamente mudar de rumo.

Depois de catequizado por Ananias, Paulo fez algumas tentativas missionárias entre os judeus que viviam em Damasco, mas passado pouco tempo teve de fugir e retirar-se durante algum tempo para o deserto da Arábia, situado entre o rio Jordão e o Eufrates. Paulo terá dedicado este tempo à sua formação, a interpretar em sentido cristão a leitura rabínica da Bíblia e as tradições religiosas de Israel.

Depois encontramo-lo novamente em Damasco «durante muitos dias» (Act 9,23) a pregar aos hebreus; mas as hostilidades, que vão aumentando contra ele, obrigam-no a fugir de noite, às escondidas.

Paulo decide então ir a Jerusalém para se encontrar com Pedro (Gl 1,19) e segundo esta mesma carta este primeiro tempo de actividade cristã de Paulo durará 3 anos, ou seja, até ao ano 38 dC.

Em Jerusalém, não obstante a amizade de Pedro e de Barnabé, Paulo sofre a contínua hostilidade dos hebreus gregos e é aconselhado a regressar a Tarso, sua cidade natal (Act 9,29s; Gl 1,21). Uma aparição de Jesus no Templo de Jerusalém fez-lhe compreender claramente, naqueles dias, que deveria ser o Apóstolo das gentes. (cf. Act 22,17s)

No Concílio de Jerusalém recebe a missão de anunciar Jesus Cristo ao mundo pagão, a todos os povos (cf. Gl 2,7-9). É a esta missão que ele vai dedicar toda a sua vida, animado por um apaixonado amor a Cristo. Vai anunciar o Evangelho nas grandes cidades do Mediterrâneo, e fundar Igrejas, comunidades de homens e mulheres, livres ou escravos, judeus, gregos ou gentios que crêem em Cristo, que O amam e observam os seus mandamentos.

A sua missão não é fácil. O seu passado de perseguidor da Igreja não lhe permite eliminar todas as suspeitas sobre a sua sinceridade e idoneidade. A sua vontade de procurar sempre o essencial da fé, choca com aqueles que querem misturar todas as religiões e criar novas exigências da Lei. Perseguido pelos seus antigos colegas, tem de fugir para o deserto da Arábia para se encontrar com Deus e amadurecer a sua vocação.


Jesus Cristo segundo Paulo

Para Paulo Jesus Cristo veio ocupar o lugar que o Pentateuco (Lei) ocupava na sua mente e coração dos judeus. A Lei Nova substitui a Lei Antiga. Jesus é para ele o fim da Lei, é a Nova Aliança, a nova criação, é o único mediador da justificação e salvação do homem.

Em 2Cor 5,18-19, Paulo escreve: «Tudo isto vem de Deus, que nos reconciliou consigo por meio de Cristo e nos confiou o ministério da reconciliação.»

Em Rm 1,4 Paulo afirma: «A promessa a Abraão concretizou-se em Cristo, consti-tuído Filho de Deus com o poder do Espírito de santificação, através da ressurreição dos mortos». Jesus Cristo é a sua vida, a sua esperança, o seu apoio, o seu modelo de vida, o seu Senhor e meta. (cf. Gl 2, 19-20)

Jesus Cristo é o seu ponto de referência; é com Ele que relaciona todo o seu ser. Tudo sacrificou por Cristo. Para ele o viver é imitar Cristo, cristificar-se, anunciá-l’O e servi-l’O. Em Ef 1,10 Paulo escreve: «Deus estabeleceu reunir todas as coisas em Cristo, uni-las a Ele como Cabeça da qual recebem orientação e força».

Jesus Cristo aparece como a razão profunda da história e do futuro do homem: «Cristo, a glória esperada, está em vós.» (Cl 1,27)

Jesus Cristo é o fundamento em que se apoia, é o sangue que o faz viver, o modelo que ele procura imitar, é a meta que procura alcançar. Jesus faz nascer nele o ser novo, a «nova criatura» e o «homem interior». (2Cor 4,16)


Fonte: SãoPauloApóstolo.Net (Paulus Portugal)

História da Paróquia


Clique na foto para ampliar


A Paróquia São Paulo Apóstolo do Belém foi erigida canonicamente a 08 de dezembro de 1939, por Dom José Gaspar de Affonseca e Silva. Em 16 de dezembro do mesmo ano, foi nomeado o primeiro Vigário Ecônomo.


Padres que atuaram na Paróquia São Paulo Apóstolo

Pe. Arnaldo de Moraes Arruda
1º Vigário Ecônomo

Pe. José Ferreira da Rocha
2º Vigário Ecônomo

Pe. Reinaldo José Moss Brito
Vigário Cooperador

Pe. Manoel Inocêncio dos Santos
3º Vigário Ecônomo

Pe. Ariovaldo Luiz de Oliveira
Vigário Cooperador

Côn. Antonio Leme Machado
4º Vigário Ecônomo – 1º Pároco

Pe. Pascoal Benjamim Lorenzatti
Vigário Coadjutor

Pe. Primo Ribola
Vigário Coadjutor

Mons. Luiz Geraldo Amaral Mello
Vigário Coadjutor

Pe. José Albanez
Pároco

Pe. Piergiorgio Ricossa SM
Pároco

Pe. Eugen Lausmann SM
Vigário Paroquial

Pe. Bertrand Hout SM
Vigário Paroquial

Pe. Michel Mahoney SM
Vigário Paroquial

Pe. Barry William Malone SM
Vigário Paroquial

Pe. José Maria Gonçalves Mello
Vigário Paroquial

Pe. Angelo Mosena SJ
Administrador Paroquial

Pe. Tarcísio Marques Mesquita
Vigário Paroquial

Pe. José Bizon
Pároco

Pe. Miguel João Borro, CSSP
Vigário Paroquial

Pe. Syllas Reschiliani
Vigário Paroquial

Pe. Wilson Bertoletti de Araujo
Pároco

Pe. Genésio de Moraes
Pároco

Pe. José Ulisses Leva
Pároco

Pe. Edelcio Serafim Ottaviani
Pároco

Pe. Boris Augustin Nef Ulloa
Administrador Paroquial

Pe. Michalak Marek (Pe.Marcos)
Administrador Paroquial


Quantos outros Padres, Religiosas, Leigos e Leigas passaram por esta Paróquia! Certamente, muito bem fizeram, comprometidos com a vivência batismal, para o crescimento da Comunidade, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo. E assim, no momento em que a Paróquia completou o Jubileu de Ouro de Ereção Canônica, ocorrido no dia 08 de dezembro de 1989, Solenidade da Imaculada Conceição, foi instituído pelo Padre Ulisses, Vigário na época, com aprovação eclesiástica, o dia 25 de cada mês como avivamento privilegiado para evangelizar. Desta forma, na Festa da Conversão de São Paulo Apóstolo em 1990, foi comunicado a toda a Comunidade esta nova e vibrante etapa da nossa História Paroquial.

Na Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo no ano de 1991, fomos presenteados com uma Missa composta, especialmente, para a nossa Paróquia.

Na Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo no ano de 1991, fomos presenteados com uma Missa composta, especialmente, para a nossa Paróquia.

Por fim, na Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo, no ano de 1992, obtivemos a aprovação eclesiástica da oração a São Paulo Apóstolo.

Imagens do templo

Aspectos do interior da Igreja
São Paulo Apóstolo do Belém

(clique sobre as imagens para vê-las ampliadas)